Quanto tempo o vírus que causa a COVID-19 sobrevive no ambiente?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Declarada como pandemia em março de 2020 pela Organização Mundial da Saúde, a COVID-19 é a doença causada pelo novo coronavírus, o Sars CoV-2. Mesmo com o intenso trabalho de cientistas e profissionais de saúde para combater a doença, muitos boatos são reproduzidos, atrapalhando as ações desses profissionais.

Muitos das fake news que estão circulando na internet atualmente, estão relacionadas à forma de transmissão da infecção e à sobrevivência do vírus no ambiente. 

Acompanhe o artigo a seguir e saiba como e por quanto tempo o vírus da COVID-19 sobrevive.

Como a COVID-19 é transmitida de pessoa para pessoa? 

A infecção é transmitida, principalmente, através do contato com gotículas infectadas que se encontram em objetos, superfícies e até mesmo o ar.

Essas gotículas e secreções são espalhadas no ambiente quando as pessoas tossem ou espirram e são chamadas de aerossóis.

Como o vírus é altamente contagioso, a transmissão da doença ocorre facilmente. 

O novo coronavírus permanece no ar por quanto tempo?

Um estudo publicado pelo New English Journal of Medicine (NEJM) revelou que o Sars CoV-2 pode permanecer no ar por até três horas.

Nesse estudo, um nebulizador simulou espirros e tosse, borrifando o SARS-CoV-2 no ambiente, revelando que o vírus fica suspenso no ar.

Após a experiência, a pesquisa considera a possibilidade de uma pessoa ser infectada pelo ar, após respirar o vírus. 

Quanto tempo o vírus permanece nas superfícies?

O vírus causador da COVID-19 pode sobreviver até 72 horas em algumas superfícies. O estudo realizado pelo NEJM avaliou a atividade do vírus em materiais distintos, sendo eles plástico, aço inoxidável, papelão e cobre.

Nas superfícies de plástico e aço inoxidável, o tempo de sobrevivência detectado foi de três dias (72 horas), enquanto foi constatado que o vírus sobrevive 24 horas sobre papelão e 4 horas sobre cobre.

Em artigo publicado no The Journal of Hospital Infection, o resultado de experiências para saber o tempo de vida do Sars Cov-2 em outros materiais foi analisado, sendo eles:

Material

Tempo de vida

Exemplos

Alumínio 

2 – 8 horas

latas de refrigerante, papel alumínio

Cerâmica

5 dias

pratos, objetos, vasos

Metal 

5 dias

maçanetas, jóias, talheres

Madeira

4 dias

móveis, decks

Vidro

5 dias

copos, espelhos, janelas

Papel

5 dias

documentos, revistas

Em alimentos, o coronavírus parece não se proliferar.

Mesmo assim, é preciso lavar frutas, legumes e embalagens, utilizando um pincel ou esponja para remover os micro-organismos com mais segurança. 

Com relação à tecidos e materiais têxteis, o virologista Flávio da Fonseca explica em entrevista ao G1, que não há estudos sobre a permanência do Sars CoV-2 em tecidos, mas em geral, os vírus podem ter uma sobrevida de 72 a 96 horas nesses materiais.

Há a possibilidade de ser contaminado pela água?

O coronavírus não foi encontrado na água potável. Se entrar no suprimento de água, a estação de tratamento local filtra e desinfeta a água, eliminando esses micro-organismos. 

A temperaturas extremas inativam o vírus?

Alguns estudos apontam que o coronavírus sobrevive mesmo em temperaturas acima dos 30º C e 40º C, podendo resistir à incidência da luz solar. Por isso, ainda não há uma temperatura específica que aja diretamente sobre o vírus.

Temperaturas baixas também não matam o vírus, inclusive o congelamento de itens e superfícies contaminadas apresentam pouco ou nenhuma perda na estrutura do vírus.

A contaminação pode acontecer durante o uso de piscina?

Depende. De acordo com a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático, para que a água seja segura para banho, é necessário que esteja corretamente tratada com cloro, com atenção à proporção certa de água clorada na piscina.

Isso porque o cloro mata diversos tipos de micróbios em geral, por isso a chance de contrair o vírus através da água da piscina é muito baixo.

Porém, em meio à pandemia há exposição à superfícies (escadas, corrimãos) e objetos contaminados fora das piscinas, além do contato com outros nadadores, que pode invalidar a segurança da prática.

Como evitar o contato com o vírus?

Visto que é invisível ao olho nu, é impossível saber quais ambientes estão infectados com COVID-19 e a prevenção ao contato é a medida principal para evitar a contaminação.

Além do isolamento social, o uso de máscara e a correta higienização das mãos são as principais ações preventivas que combatem a exposição à COVID-19, recomendadas pelo Ministério da Saúde

Nas superfícies, a higienização do ambiente precisa ser realizada com soluções de álcool 70% ou hipoclorito 1%, que garante a desinfecção.

Gostou de saber o que acontece com o novo coronavírus nos ambientes ou tem alguma dúvida? Deixe nos comentários sua resposta.

Leia mais:

Gostou do artigo? Avalie

Média da classificação / 5. Número de votos:

Acompanhe novidades sobre saúde e bem-estar: assine a nossa newsletter.

Para entrar em contato com a central de atendimento é necessário aceitar a Politica de Cookies.