Obesidade Infantil: Conheça os riscos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Segundo a Federação Mundial da Obesidade, sem uma mudança de hábitos, em menos de uma década a obesidade pode atingir 11,3 milhões de crianças no Brasil

 

Em todo o mundo, a prevalência da obesidade vem apresentando um rápido aumento, inclusive em crianças e adolescentes. Em algumas cidades brasileiras, como em Recife, por exemplo, o sobrepeso e a obesidade já atingem 30% ou mais da população nesta faixa etária. 

Vários fatores são importantes para o desenvolvimento da obesidade, no entanto, os que poderiam explicar este crescente aumento estão relacionados, principalmente, às mudanças no estilo de vida e nos hábitos alimentares. Muitas crianças e adolescentes têm consumido, cada vez mais, alimentos industrializados e ultraprocessados, ricos em gorduras e açúcares. Além disso, com o aumento da violência, muitas crianças acabaram trocando as atividades físicas ao ar livre pelo computador e televisão.

A adoção de hábitos saudáveis, como a atividade física  regular e a alimentação adequada, sobretudo na infância, é essencial para a saúde e a manutenção desses hábitos na vida adulta pode contribuir para que muitas doenças sejam evitadas. 

Acompanhe o artigo a seguir e descubra quais são as consequências que a obesidade pode trazer para as crianças. 

Obesidade infantil: quais são os riscos para a saúde?

Os principais riscos associados ao excesso de peso na infância e na adolescência são o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis como o diabetes mellitus tipo 2, a hipertensão arterial (pressão alta) e as doenças cardiovasculares. 

Essas doenças podem ser causadas por uma série de fatores de risco, sendo que os principais incluem, o sedentarismo, dieta rica em gorduras e açúcares – que estão presentes principalmente em alimentos ultraprocessados e fast-food –  histórico familiar e hipercolesterolemia. 

O que é hipercolesterolemia?

A hipercolesterolemia caracteriza-se pela elevação das concentrações sanguíneas de colesterol e pode ser detectada por meio do exame do perfil lipídico. Essa condição pode ser causada por fatores ambientais ou genéticos.

As alterações nos níveis de colesterol contribuem para o desenvolvimento da aterosclerose, uma inflamação causada pelo acúmulo de placas de gordura nas paredes dos vasos sanguíneos.  Com o tempo, essas placas acabam impedindo a passagem de sangue e, consequentemente, a oxigenação do tecido, prejudicando o coração.

Muitos estudos mostram que essa doença tem seu início já na infância e a sua progressão pode ser observada em adultos jovens. Desta forma, identificar as crianças e adolescentes que apresentam os fatores de risco para a aterosclerose é importante para prevenir as doenças cardiovasculares.

Existem períodos críticos para o desenvolvimento da obesidade infantil?

Levando-se em consideração os fatores de risco, os períodos críticos para desenvolvimento da obesidade são, o período intrauterino, o primeiro ano de vida, entre cinco e seis anos e a adolescência.

Desta forma, a prevenção da obesidade deve começar desde o pré-natal, com o monitoramento da gestante. Os profissionais de saúde devem estar atentos aos fatores de risco associados a estas faixas etárias para monitorar o desenvolvimento destas crianças.

Como detectar a obesidade em crianças?

A obesidade em crianças e adolescentes pode ser percebido pelos responsáveis. Detectado esse excesso, é essencial que os pais ou responsáveis procurem os profissionais da saúde e tomem as medidas necessárias para que o diagnóstico seja confirmado.

Quais são os sintomas da obesidade infantil?  

  • Falta de ar e dificuldade para respirar;
  • Excesso de peso;
  • Cansaço e desânimo;
  • Vida social reprimida e baixa autoestima;
  • Desenvolvimento de diabetes tipo 2;
  • Doenças cardíacas prematuras;
  • Mau desenvolvimento ortopédico;
  • Doenças gastrointestinais;
  • Gordura no fígado.

Como o risco de obesidade infantil é diagnosticado? 

Segundo o Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, o diagnóstico de risco de obesidade é simples. 

A partir de dados antropométricos como peso, estatura, circunferência e dobras, obtém-se determinados índices, de acordo com a idade e sexo da criança. 

O IMC/I, também é avaliado e é um preditor de risco para doença cardiovascular, dislipidemia e hipertensão arterial, assim como a circunferência abdominal – embora não exista consenso sobre pontos anatômicos e de corte para classificação dessa medida em crianças. 

Como prevenir a obesidade infantil? 

A adoção e manutenção de hábitos saudáveis é essencial para prevenir a obesidade infantil. Também é importante que crianças e adolescentes conheçam os seus níveis de colesterol e triglicerídeos. Não deixe de estimular a prática de atividade física e a adoção de hábitos saudáveis, além de procurar um profissional de saúde. Embora a principal causa da obesidade em crianças seja a alimentação inadequada, a obesidade infantil também pode ser causada por distúrbios endócrino-metabólicos.

Uma alimentação saudável, sobretudo na infância, é essencial para a saúde e o bem estar. A manutenção desses hábitos na vida adulta pode contribuir para que muitas doenças sejam evitadas.

O que achou de saber mais sobre a obesidade infantil? Aproveite para acompanhar o nosso Instagram e continue se atualizando sobre a saúde.

BBC News. Brasil terá 11,3 milhões de crianças obesas em 2025, estima organização. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-41588686>. Acesso em: 21 de junho de 2018. 

Brasil. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Manual de diretrizes para o enfrentamento da obesidade na saúde suplementar brasileira. Coordenadoria de Informações Assistenciais. – Rio de Janeiro: ANS, 2017. 

ESPINHEIRA, M. C.; VASCONCELOS, C.; MEDEIROS, A. M.; ALVES, A. C.; BOURBON, M.; GUERRA, A. Hipercolesterolemia – uma patologia com expressão desde a idade pediátrica. Rev Port Cardiol. 2013; 32(5) :379-386. 

Governo do Brasil. Obesidade cresce 60% em dez anos no Brasil. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/editoria/saude/2017/04/obesidade-cresce-60-em-dez-anos-no-brasil>. Acesso em: 20 de junho de 2018.

MELLO, E. D. de, VIVIAN C. LUFT, V. C.; MEYER, F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? Jornal de Pediatria – Vol. 80, Nº3, 2004. 

OLIVEIRA, C. L.; FISBERG, M. Obesidade na infância e adolescência – uma verdadeira epidemia. Arq Bras Endocrinol Metab vol.47 no.2 São Paulo Apr. 2003. 

OLIVEIRA, A. M. A. DE; CERQUEIRA, E. M. M.; OLIVEIRA, A. C DE. Prevalência de sobrepeso e obesidade infantil na cidade de Feira de Santana-BA: detecção na família x diagnóstico clínico. Jornal de Pediatria – Vol. 79, Nº4, 2003.

SANTOS, M. G.; PEGORARO, M.; SANDRINI, F.; MACUCO, E. C. Fatores de risco no desenvolvimento da Aterosclerose na infância e Adolescência. Arq Bras Cardiol 2008; 90(4): 301-308. 

Sociedade Brasileira de Pediatria – Departamento de Nutrologia Obesidade na infância e adolescência – Manual de Orientação / Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Nutrologia. 3ª. Ed. – São Paulo: SBP. 2019. 236 p.

 

Leia mais:

Gostou do artigo? Avalie

Média da classificação / 5. Número de votos:

Acompanhe novidades sobre saúde e bem-estar: assine a nossa newsletter.

Para entrar em contato com a central de atendimento é necessário aceitar a Politica de Cookies.