O que é carga viral indetectável?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao longo dos anos, o tratamento antirretroviral tem se mostrado altamente eficaz. Por este motivo, hoje, a maior parte das pessoas que vivem com HIV e seguem o tratamento adequado, conseguem atingir a chamada “carga viral indetectável”. 

 Isso significa que o tratamento é capaz de reduzir a quantidade de HIV no sangue para níveis que não são detectáveis por testes laboratoriais padrão.

Mas o que isso significa? Acompanhe o artigo a seguir e descubra. 

O que é a carga viral indetectável? 

Carga viral é um termo que utilizamos para descrever a quantidade de HIV que existe no sangue de uma pessoa. 

Como o HIV é um vírus que afeta o sistema imunológico, que é responsável por defender o organismo de doenças, quanto maior a carga viral (quantidade de vírus no corpo) maior será o comprometimento desse sistema. 

Quando uma pessoa vivendo com HIV segue o tratamento com os medicamentos antirretrovirais, a carga viral torna-se tão baixa que não é detectada pelo exame de carga viral. 

Qual a importância da carga viral indetectável para as pessoas vivendo com HIV? 

Uma pessoa vivendo com HIV e com carga viral indetectável não transmite o HIV sexualmente. Foi assim que surgiu o termo “indetectável = intransmissível”. 

O termo é válido desde que as pessoas vivendo com HIV estejam com carga viral do HIV indetectável há pelo menos seis meses.

Como isso foi descoberto? 

Entre os anos de 2007 e 2016, foram realizados três grandes estudos envolvendo a transmissão sexual do HIV. Esses estudos foram realizados com milhares de casais. 

Cada casal era formado por uma pessoa vivendo com HIV (mas com carga viral indetectável) e uma pessoa soronegativa (sem HIV). 

Os estudos mostraram que não houve transmissão sexual do HIV. 

O que isso significa? 

O tratamento antirretroviral (tratamento do HIV), permite às pessoas que vivem com o vírus levar uma vida saudável. 

Hoje, uma pessoa com HIV, que segue o tratamento adequado, pode viver tanto tempo quanto uma pessoa que não tem o vírus. A longevidade é muito semelhante. 

Segundo o Unaids “com a escolha certa de medicamentos antirretrovirais, os níveis virais cairão ao longo de vários meses para níveis indetectáveis e permitirão que o sistema imunológico comece a se recuperar”. 

O acesso ao tratamento antirretroviral é essencial para que as pessoas que têm o vírus tenham qualidade de vida. 

Quanto tempo uma pessoa vivendo com HIV deve tomar o medicamento para atingir a carga viral indetectável? 

Não há uma resposta definitiva para essa pergunta. Uma pessoa só pode saber se tem carga viral indetectável fazendo o teste de carga viral. 

O conceito indetectável = intransmissível vale também para a amamentação? 

Mesmo que a mãe esteja com a carga viral indetectável, o vírus pode ser transmitido durante a amamentação. 

Por isso, a mãe que vive com HIV, além de fazer o tratamento para o HIV, deve fazer também um tratamento para inibir a lactação (disponível no Sistema Único de Saúde – SUS). 

O bebê deve ser alimentado com fórmula láctea, também distribuído pelo SUS. 

Indetectável = Intransmissível: entenda

 

 

 

O impacto do tratamento para todas as pessoas 

O tratamento para todas as pessoas faz parte de um conjunto de estratégias denominada “prevenção combinada”. 

No Brasil, todas as pessoas diagnosticadas com o HIV têm o direito de receber o tratamento antirretroviral (TARV) gratuitamente. 

O tratamento, além de contribuir para a melhoria da qualidade de vida da pessoa que vive com o HIV, reduz a transmissão do vírus, além de diminuir a mortalidade. 

Como vimos, os medicamentos antirretrovirais reduzem a quantidade de vírus circulante no organismo da pessoa que vive com HIV, fazendo com que ela alcance a “carga viral indetectável”. 

A pessoa que atinge a carga viral indetectável tem uma chance insignificante de transmitir o vírus para outra pessoa em relações sexuais desprotegidas.

Além disso, a adesão ao tratamento, ou seja, o uso regular e correto da medicação reduz o número de infecções por doenças oportunistas.

Quantos casos de HIV existem hoje? 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até hoje, mais de 70 milhões de pessoas foram infectadas pelo HIV. 

Cerca de 37 milhões de pessoas no mundo vivem com o vírus, sendo que 22 milhões estão em tratamento. 

No Brasil, segundo o Boletim Epidemiológico de HIV/Aids de 2018, foram diagnosticados 42.420 novos casos de HIV e 37.791 casos de Aids. Lembre- se, que ter HIV não é o mesmo que ter Aids. 

Desde o ano de 2012, observa-se uma diminuição na taxa de detecção de aids no Brasil, redução que tem sido mais acentuada desde a recomendação “tratamento para todos”, implementada em 2013. 

Gostou do conteúdo? Aproveite para curtir a página da Hilab no Instagram e fique por dentro dos conteúdos sobre saúde e bem-estar. 

Ministério da Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. DIAHV atualiza informações sobre o conceito Indetectável = Intransmissível. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/diahv-atualiza-informacoes-sobre-o-conceito-indetectavel-intransmissivel>. Acesso em: 19 de junho de 2019. 

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. HIV/Aids 2018. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018>. Acesso em: 19 de junho de 2019. 

ONU News. OMS: 75% das pessoas que vivem com HIV sabem que estão infetadas. Disponível em: <https://news.un.org/pt/story/2018/11/1649811>. Acesso em: 18 de junho de 2019. 

Leia mais:

Gostou do artigo? Avalie

Média da classificação / 5. Número de votos:

Acompanhe novidades sobre saúde e bem-estar: assine a nossa newsletter.

Para entrar em contato com a central de atendimento é necessário aceitar a Politica de Cookies.